segunda-feira, 27 de junho de 2011

Santos=Dumont apaga parte de sua historia em Benérvile



read this article in English


A vida de Santos=Dumont poderia ter sido melhor documentada , não fosse pelo episodio em Benérville, no litoral Francês próximo ao Balneário de Deuaville, no qual ele próprio queima seus documentos, fotos e objetos pessoais.

Sabe-se que depois das experiências realizadas com sua Demoiselle em janeiro de 1910, Santos=Dumont foi diagnosticado com esclerose múltipla e como uma chama que se apaga com a corrente de ar, Santos desaparece abruptamente.

Ele havia construído uma casa de estruturas modestas em Benérville, apelidada de La Boîte por sua forma quadrada para se refugiar.

Sabe-se ainda que lá recebeu a visita de seu grande amigo SEM, do agora muito entristecido mecânico Chapin e de Roland Garros, que fora até lá para acertar a compra de um Demoiselle numero 20 (possivelmente jogaram tênis em sua linda quadra).



Neste documento de 1913 vemos Santos relatar a construção da “La Boîte”


Dada a sua condição de saúde agora comprometida, S=D procurava fazer esportes e ocupar sua mente com prazeres científicos, construiu um observatório no teto de sua casa com um potente telescópio Zeiss e passou a observar os astros.

Observatório de Santos=Dumont – ao fundo o telescópio Zeiss. Santos=Dumont recebe seus amigos Ferdinand Charron e Emmanuel Aimé entre outros amigos.

Observando estas fotos, sabemos que recebeu outras visitas não tão famosas, tanto que não foi possível saber quem eram estas pessoas.

Sua reclusão custou caro, logo que a primeira guerra mundial foi declarada na Europa em agosto de 1914, Santos=Dumont recebeu a visita de duas viaturas dos Gendarmes que vieram pela denuncia de um visinho austríaco chamado Goujon. Este achou que S=D observava a movimentação no litoral da mancha com seu potente telescópio e se comunicava por meio de bandeiras náuticas erigidas em um mastro de navio instalado ao lado da casa.

Aquela época Santos queria se aproveitar dos louros de sua vida de aviador, gastava de design e estilo, alem das excentricidades de ter peças náuticas instaladas na vila, tinha um lindo Alda de 4 cilindros e 15HP, desenhado e construído por seu amigo Charron.


Ao vasculhar a casa, os policiais confiscaram diversos pertences, documentos e mantiveram Santos=Dumont em prisão domiciliar. Antonio Prado Jr, fora avisado e intervêm junto a Embaixada do Brasil para que o impasse fosse resolvido.

Foi então que Santos Dumont resolve abandonar sua residência, sem antes queimar em uma grande fogueira todos os documentos, plantas, livros e objetos, sem dar chance de segundas vias, ocasionando a maior perda de documentos históricos sobre este grande personagem.



Após a retirada de S=D os Gendarmes voltaram e confiscaram diversos outros pertences deixados por ele, inclusive o belo automóvel Alda. Exatos 62 anos depois, em setembro de 1976 Hubert Benedic esteve no local onde a casa fora construída, encontrou o lugar abandonado, com apenas parte do piso entre os destroços, “há de ambos os lados uma vista magnífica, que há de ter seduzido Santos=Dumont” conforme lê-se nesta carta enviada a família de Santos=Dumont.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Porque eu acredito que o dirigível é um sucesso comercial



see this article in English


“Interoceanic” Chicago, 20 de abril de 1902


Este artigo é muito importante para entender como o Santos-Dumont era um homem à frente de seu tempo. Aqui podemos perceber que ele estava bem consciente sobre os conceitos, tais como o de invenções com códigos abertos (open-source).
Santos não patenteava seus inventos, a fim de contar com novos estudos de outros cientistas, assim como acontece no meio dos softwares de computador, onde o código fonte e outros direitos reservados, direitos de autoria são fornecidos sob uma licença de software que permite que outros usuários possam estudar, mudar, melhorar e, às vezes até distribuir o software.

"Nada é patenteado"



Santos era um cosmopolita, estudou em Paris, algumas cidades do Brasil, Londres e alguns outros países, Santos era capaz de manter conversas com intelectuais, de participar de eventos da realeza, etc. Sua personalidade também foi mal compreendida e ele foi muitas vezes tratado com preconceito pela imprensa americana que o considerava efeminado.
Este texto também é importante porque foi a primeira vez que a palavra "Air Port", fora usada para descrever os portos utilizados por dirigíveis, Santos também inventou a palavra e o conceito de "aeroporto".

“Acredito na viabilidade do dirigível. Não apenas para os fins do desporto ou lazer, mas para também para fins comerciais.

O Dirigível está aqui

Por que, em dez anos, eu firmemente acredito que haverá uma linha de aeronaves a cruzar o oceano Atlântico, a tal taxa de velocidade e em tal grau de conforto que os transatlânticos de hoje, magníficos como eles são, parecem montados somente para o transporte de mercadorias ou pessoas em busca de saúde, ao fazer uma viagem por mar.
As possibilidades que apresentam as aeronaves ainda não foram nem sonhadas.
alt=""id="BLOGGER_PHOTO_ID_5614003432510047346" />
Chegou para Ficar

Três anos atrás, se alguém tivesse dito que um homem seria capaz de navegar uma embarcação aérea de lá para cá sem levar em conta a vento, este teria sido chamado de idiota. Ainda hoje tenho conseguido tal façanha, e isso eu não hesito em dizer que é apenas a começo do que estou por fazer.
Mas não me interpretem mal ao imaginar que eu penso somente em mim. Espero que cada um que se interessa por navegação aérea vira para ver a minha aeronave quando ela estiver pronta,


e que sua construção poderá ajudá-los em idéias que, por sua vez poderão levá-la a melhorias. Nada é patenteado. Cada um é livre para usar por conta própria as minhas idéias ou qualquer peça empregada no mecanismo do Santos Dumont, nome que dou a minha aeronave.
A velocidade que os dirigíveis irão alcançar com o tempo é quase tão ilimitada que eu não me importo em fazer minhas previsões a todos em relação a ela, tanto que eu acho que 100 milhas por hora será considerada uma velocidade corriqueira. Um bom dirigível deverá ser capaz de fazer quarenta milhas por hora, e veja que ainda estamos na infância dessa busca. Eu fiz 23 milhas por hora com a minha máquina antiga (n º 6), e minha nova (n. º 7) será capaz de fazer quarenta milhas por hora ou mais. Uma boa aeronave dirigível irá navegar mais rápido do que o mais veloz dos iates transatlânticos, será facilmente até duas vezes mais rápida.
No que diz respeito ao perigo dos dirigíveis em questão, eu não acho que sejam mais perigosos do que viajar de trem ou navio. Na minha aeronave é quase impossível cair rapidamente devido à sua construção. Em uma de minhas máquinas anteriores eu caí de uma altura de 600 metros e não fiquei ferido.
Eu trouxe comigo a estrutura e o maquinário do Santos-Dumont n º 7, como eu chamo o mais novo dirigível que estou construindo, e virá a ser muito maior do que qualquer outro que já construí. Terá entre 160 e 170 pés de comprimento e cerca de 25 pés de diâmetro. Estas, naturalmente, são as medidas das partes que constituem o balão. O motor é de quarenta e cinco cavalos de potência e pesa 270 libras. Este dirigível, estou convencido, virá a carregar pelo menos cinco pessoas e talvez ainda mais.
Eu nunca levei qualquer um no ar comigo (exceto, é claro, em balões). Mas se eu tentar um vôo nos Estados Unidos eu seria feliz por fazê-lo. Eu não posso, no entanto, fazer quaisquer vôos nos Estados Unidos a menos que haja um prêmio oferecido suficientemente grande para cobrir as despesas, de custos de vôo, no valor de vários milhares de dólares.
É claro que quando os dirigíveis tornarem-se mais comuns, o custo, tanto em execução como em valor de custo, será bastante reduzido. Há certamente grandes somas dos dinheiro no negócio de aeronaves dirigíveis para qualquer um que esteja disposto a colocar alguns milhares de dólares para promover as invenções e gerar ainda mais o interesse. Estou confiante de que há muitos homens nos Estados Unidos que fariam isso se por uma vez se colocarem a voar em minha aeronave, e por isso que estou particularmente ansioso em disponibilizar minha aeronave para alguém voar.
Estarei de retorno à Londres dentro de três semanas para voar com o Santos-Dumont n º 6 num concurso aeronave dirigível durante a semana que vem, mas voltarei em Julho para a América, quando o Santos-Dumont n º 7 estará pronto para voar.
Eu vim à América, principalmente para conversar com os diretores da exposição St. Louis no que diz respeito às condições que irão reger a disputa para o prêmio de 200.000 dólares em sua exposição. Eu tenho minhas próprias idéias quanto ao escopo do concurso de aeronaves dirigíveis de St. Louis. Não é um assunto para ser tratado de forma banal, como uma exótica atividade de museu. Deve ser liberal no que diz respeito a prêmios em dinheiro, em primeiro lugar, porque a aeronáutica é cara, e se os incentivos financeiros não forem suficientes inventores não irão se empenhar em trazer o melhor que existe neles.
Deveria haver um bom percurso definido ao redor da cidade para que todas as pessoas pudessem ver as competições, quer compareçam à exposição ou não. Qualquer tentativa de torná-la um espetáculo à parte da feira cairá por terra, enquanto condições adequadas para uma competição justa não forem observadas. Todas essas coisas, é claro, serão questões a serem resolvidas pelas autoridades de exposição, e eu não tenho dúvida de que eles irão lidar com elas de uma forma liberal.
Espero que algum americano de espírito público, possa oferecer um bom prêmio para uma competição de aeronaves dirigíveis, a parte do que fora planejado para a feira de St. Louis. Este prêmio não deverá ser inferior a 50.000 dólares, e permitam-me aqui a explicar por que uma bolsa desse valor é essencial. Uma aeronave dirigível de primeira classe e seus equipamentos com as custas da prova não serão nenhum incentivo para inventores correrem o risco de se prepararem para a competição.
Eu não espero muito de minhas experiências em Londres durante a semana da coroação, como é uma cidade difícil para um aeronauta navegar, por conta da rede dos cabos aéreos. É na América que espero que os melhores resultados, A França está muito devagar, Meu próprio pais, o Brasil, e fácil-fácil o líder no que diz respeito a dirigíveis, mas é os Estados Unidos que está destinado a ser o melhor. Nova York oferece o maior e o mais severo teste para as aeronaves dirigíveis, seus edifícios são demasiado altos e tão próximos uns dos outros, para que uma máquina perfeita e um homem corajoso possam navegar no meio deles com sucesso. O país inteiro também oferece um campo excelente para à de aeronaves dirigíveis em razão de suas distâncias imensas, mas o grande porto aéreo do mundo será Nova York, eu tenho certeza.
As aeronaves dirigíveis estão aqui. Estão aqui para ficar e para rapidamente serem aprimoradas, e dentro de dez anos, será à veículo mais comum para as viagens e para o desporto, nos negócios, e todos os outros campos.
Chicago, eu entendo, é também uma localização favorável para um porto de aeronaves dirigíveis. Farei uma escala lá em Maio no caminho de volta de St. Louis, vou analisar bem, e se as condições forem adequadas, posso fazer algumas viagens de teste para lá com à Santos-Dumont n º 7”.

-

Santos-Dumont trata de seus louros com modéstia. No entanto, às vezes, especialmente quando ele fala do seu trabalho e do que pretende fazer no futuro, ele tem um ar de tão absoluta auto-confiança que parece quase arrogante.

Talvez navegue em Chicago

Ainda assim, um olhar atento ao homem mostra que ele não é arrogante. Ele é simplesmente tão absolutamente imbuído da convicção das suas próprias teorias de que ele fala delas com a mesma confiança que faz a afirmação de que dois mais dois são quatro.
Quando se ouve desse nervo maravilhoso, a frieza em face dos perigos, que assustaria o homem mais robusto do mundo, o absoluta indiferença ao risco que este jovem tem exibido uma e outra vez em seus vôos com seus dirigíveis, esperamos ver um homem, um camarada calmo, de olhos corajosos, com uma estrutura gigantesca e músculos. O contraste desse ideal para o real Santos-Dumont é tão grande que chega a ser a ser ridículo.
Santos, como ele prefere ser chamado, é um camarada um pouco magro e moreno de pele, tem uns 5 pés e, talvez 4 ou 5 polegadas. Sua face seria um pouco efeminada, não fosse pelo bigode espesso, que embora bem aparado, sombreia o lábio superior, e dá força ao seu rosto. Seu queixo mostra, no entanto, de onde vem a tenacidade obstinada, e a maravilhosa ganância que lhe permitiu a trabalhar continuamente até finalmente chegar a sua presente eminência.
Sua mandíbula é longa e angulosa, e quando ele fecha, a protrusão dos músculos que denotam determinação é muito pronunciada. O alto de sua boca está inclinado para se projetar também, e seus lábios são ligeiramente mais espessos do que a média. Ele não é um homem bonito. Seus dentes são, no entanto, maravilhosamente brancos e regulares, e seu sorriso é encantador. Ele se espalha por todo a face, começando pelos olhos, e rouba de suas outras características, suaviza e ilumina então deliciosamente.
Santos fala com sotaque, que é apenas externo o suficiente para capturar o coração dos qualquer garota, auxiliado por seus grandes olhos negros. Estas são as suas melhores características, e a contar de seus cabelos negros de sua origem sul-americana.
É a sua voz, também, que baixa e estranhamente gentil, passa a idéia de efeminação que de alguma forma, não pode se evitada, não importa quantas vezes lembremos dos atos de coragem por ele feitos. Este efeito é completado por um bracelete de ouro, que Santos usa em seu pulso, embora sua luva esconda, ocasionalmente, quando um gesto desse braço mostra por um momento. Isso é raro, no entanto, que Santos pensa muito mais do que fala, e fala mais do que gesticula. Isso é bastante raro em um homem de sua educação e criação, pois ele nasceu no Brasil e fora educado em Paris. Uma característica, que é praticamente universal na humanidade, que Santos não apresenta de forma alguma, a julgar pelo seu passado e por sua fala, já que ele está na América, não tem nem um átomo. Esta característica é a avareza.
Ele nega-se a patentear suas máquinas bem como suas idéias na construção dos seus inventos, é realmente maravilhosa nesta época dos estima competitiva.
Santos é o único homem que resolveu o problema da navegação do ar, e ele é o homem sem nenhum desejo por dinheiro.
Santos, que não tem mais do que 30 anos de idade, vem fazendo experiências com balões dirigíveis em Paris desde 1897, com treinamento anteriormente obtido no Brasil. Sua primeira ascensão foi feita no Jardin d'Acclimatation em 4 de julho de 1898, e elevou-se ao ar continuamente, com considerável sucesso, até 12 julho de 1901, quando conseguiu fama repentinamente por voar em sua máquina, que saiu do parque do Aero Clube, em frente Sena em direção à pista de Longchamps, fez dezenas de vôos ao redor da pista e em torno o Torre Eiffel e voltou para ponto de partida. Suas viagens, desde então, tem sido meramente a corroboração de seu sucesso na época, somente ele conseguiu dirigir e ser impelido à vontade na atmosfera, independentemente das correntes de vento. Em 13 de outubro de 1901, ele ganhou o prêmio Deutsch de F $ 20.000 com o seu dispositivo de navegação ao longo de um curso prescrito no prazo dos 30 minutos. Santos deu o dinheiro aos pobres dos Paris e, assim, provando assim que não navega seus dirigíveis como o propósito de lucro financeiro.

A França está muito devagar